De Repente 30

Dia 17 de Outubro de 1987 eu nasci. Hoje completo 30 anos. Essa idade é meio que decisiva para muita gente. Por vários motivos.

Algumas pessoas dizem que os 20 (período que compreende dos 20 as 29 anos) é o período decisivo. Nesta década se espera que você faça as decisões mais importantes da sua vida: o trabalho que você vai desempenhar pelo resto da vida, a pessoa com quem você vai viver pelo resto da vida, comprar uma casa onde você vai passar o resto da vida. Enfim, muita coisa com o final “para o resto da vida”.

Isso me fez refletir sobre o que se espera de nós. Mas primeiro de tudo, quem espera algo de nós? Talvez a sociedade, seus amigos, seus pares no trabalho, seus familiares, as suas próprias expectativas, etc. Ou seja, isso foi algo que foi construído para que cumpramos as expectativas que outros têm sobre o que devemos ou não fazer. Porém isso é uma ilusão. O que todas estas pessoas que nos amam e se preocupam com a gente querem não necessariamente é o que nos fará felizes.

Muitas vezes trilhamos um caminho “já traçado” por outros e quando nos vemos longe naquele caminho, acreditamos que não vale mais a pena começar novamente o caminho que nos levará à satisfação pessoal. Por conta disso a maioria de nós cresce estudando para passar no vestibular de direito ou engenharia ou medicina. E somos bombardeados por todos ao nosso redor de que isso é o ideal de “sucesso”, que acabamos comprando aquela ideia e acreditando que é isso que nascemos para fazer.

Muito cuidado para não absorver as expectativas de todos ao seu redor e acabar criando uma máscara que você usa a tanto tempo que é quase impossível descobrir quem você é de verdade e quais os seus verdadeiros sonhos e desejos.

Nem sempre eu fui assim confiante e seguro do que eu quero como sou hoje. Já fui um adolescente tímido e inseguro. Incapaz de lutar pelo que eu almejava. O problema é que sempre tinha alguém me dizendo o que fazer antes mesmo de que eu pensasse sobre o assunto. Pais, professores, familiares, querem decidir por você o que você fará pelo resto da sua vida. O resto da vida é tempo demais para colocar nas mãos de outras pessoas. Apesar de sua família e amigos lhe amarem, isso não quer dizer que eles saibam o que é melhor para você em 100% dos casos.

Eu acredito que as pessoas só dão o que elas têm. Se alguém é rude com você, isso é só um reflexo do que ela recebeu ao longo de sua vida. Se alguém apenas te critica, aponta seus erros e não reconhece o que você faz certo, não fique chateado com essa pessoa. Tenha compaixão dela. Pois foi apenas isso que ela tem recebido ao longo dos anos. Por isso não tomo nada pelo lado pessoal. As pessoas não te tratam como você é, elas te tratam como elas são.

Eu nasci em Poranga, cidadezinha no interior do Ceará com menos de 7 mil habitantes. Estudei minha vida toda em escola pública. Nunca fui o mais inteligente da sala. Tentei o vestibular por mais de 10 vezes, até que desisti (pelo menos por um tempo) e comecei a estudar para concurso. Depois de reprovar em outras dezenas de concursos, passei no concurso da Policia Militar do Ceara em 2008 (então com 20 anos). Continuei fazendo o vestibular e reprovando, até que em 2011 passei para Educação Física na Universidade Federal do Ceará. Minha intenção na época era apenas conseguir o título de Bacharel para utilizar para o concurso da Policia Federal. Nunca pensei em exercer a profissão.

Até encontrar a calistenia, que veio um pouco depois que botei na minha cabeça e DECIDI que iria me mudar do Brasil. Estudando inglês percebi que existiam muitos canais relacionados a calistenia no youtube, porém não havia abundancia do mesmo conteúdo em português. Isso me fez evoluir no aprendizado do idioma e no conhecimento sobre o treino de calistenia e suas especificidade. Então DECIDI criar o canal. Mas somente quando eu tivesse um corpo perfeito e estivesse fazendo todos os movimentos da calistenia perfeitamente.

Entretanto, como todos nós sabemos, a perfeição não existe. E se eu esperasse pelo momento perfeito para criar o canal eu estaria esperando até hoje. Se eu esperasse ter bastante dinheiro e um inglês perfeito para vir para o Canadá, esse dia jamais chegaria.

Mas aonde eu quero chegar com isso?

Calma, vou explicar agora sobre como meu exemplo pode te ajudar a tomar a melhor escolha.

Antes mesmo de ter o inglês e dinheiro para me mudar do país, eu já havia DECIDIDO sair do Brasil. Antes de eu conseguir o que tinha estabelecido para iniciar o canal (corpo perfeito e movimentos perfeitos – até hoje não tenho), eu já havia DECIDO iniciar o canal.

Eu não era rico. Eu tinha um carro (Gol G3 2001 Branco), o valor que o vendi não deu para pagar nem minhas passagens para o Canadá. Ganhava cerca de R$ 2000 como PM. Tinha um apartamento financiado e um emprego público. Abri mão disso tudo, do que levei 8 anos de trabalho e muito planejamento para viver algo incerto. E se você me perguntar se isso valeu a pena, minha resposta é um ABSOLUTAMENTE SIM.

Minha vida é fácil aqui? Obvio que não. Não está fácil até hoje. Nunca pisei aqui antes, não conhecia ninguém até pisar aqui, minha mulher não sabia nada de inglês, o dinheiro era limitado a pagar pelo meu curso. Para pagarmos nossas contas no Canada teríamos que conseguir emprego aqui o mais rápido possível.

Criar um canal no youtube foi fácil? Claro que não. Postei consistentemente toda semana pelos primeiros 6 meses. Eram cerca de 40 videos quando consegui meus primeiros 1000 inscritos. A maioria desiste bem antes. Se não tiver 100 inscritos após o primeiro vídeo, já desistem. Fui consistente e mesmo sem retorno financeiro (que até hoje não tenho do YouTube. hahahaha) e sem aumento considerável nas visualizações e número de inscritos continuei firme. Mesmo recebendo comentários desmotivantes. Mas mesmo assim continuei. Porque eu tenho uma paixão por ensinar e por ver as pessoas alcançarem seu máximo potencial, em todos os aspectos da vida.

Qual o meu ponto com tudo isso? Me “amostrar” e dizer que eu sou “o cara”. Claro que não.

Te dei todos os motivos para você acreditar no contrário.

Nasci numa cidade no interior do nordeste brasileiro. Longe de ser dos melhores da sala. Passei no vestibular aos 23 anos. Soldado da policia militar por quase 8 anos. Eu tinha todos os motivos no mundo para acreditar que aquilo era o que eu seria pelo resto da minha vida. Afinal quando tomei a decisão de mudar de país e abandonar minha profissão já tinha 28 anos. Quase o fim daqueles anos decisivos que determinariam o resto da minha vida.

Mas eu disse NÃO pra todo mundo ao meu redor, e disse SIM pra mim. Ninguém se decepcionou comigo, apesar do medo que eu tinha de decepcionar minha família e amigos. Sempre fui firme em minhas decisões. Mesmo as mais difíceis. E todo mundo teve que aprender a conviver com minhas decisões. Que no final das contas não afetaria tanto a vida de nenhum dos meus amigos e familiares. As vezes as pessoas simplesmente se sentem bem em saber que alguém segue o que elas sugerem. E não é por que elas são ruins. É a natureza humana. Queremos nos sentir especiais. Que nossa opinião é importante para outras pessoas. Que as pessoas aprovam a decisão que tomamos. Porém nosso sucesso não pode ser medido com a trena de outras pessoas. Alguém que não sabe quais são seus sonhos não pode entender o que é realmente o melhor pra você.

Tudo o que fiz na vida me trouxe ao lugar onde estrou atualmente. E por esse motivo sou extremamente grato e feliz com todas as decisões que tomei. Inclusive as ruins. Pois todas elas me trouxeram ao lugar que eu preciso estar. Não o mais fácil, não o mais confortável, mas o que me estimula e me desafia, me fazendo crescer mais e mais a cada dia.

Você estimula sua musculatura fazendo-a sofrer, você apenas ganha flexibilidade se alongar sua musculatura até o ponto de dor. E não fazendo estas coisas apenas um dia. Mas sofrendo um pouco mais todos os dias e mantendo-se consistente nisso. Esse é único caminho para o desenvolvimento. Somente assim você vai ver diferença no seu corpo.

Porque a gente aceita que isso é verdade para o nosso corpo, mas não admitimos isso para nossa mente. Trabalhamos nossa vida toda pra ser recompensado com uma “zona de conforto”: um emprego publico, uma esposa/marido, um carro, filhos, rotina, fazendo a mesma coisa todos os dias até o dia da nossa morte. E criamos nossos filhos para seguir o mesmo ciclo^estudar, trabalhar, casar, ter filhos e morrer. Se você pensar por esse lado a vida é muito chata.

E por isso eu decidi criar o canal e sair do país. Não por que quero coisas mais fáceis, mas porque quero desafios. Quando a vida é chata é difícil se sentir vivo. Eu quero um motivo para acordar de manhã. Não apenas ir para o meu trabalho chato que eu odeio, para pagar umas contas no fim do mês. Sendo a cerveja do final de semana o único alívio para minhas dores. Chega. Você pode ter mais do que isso.

Eu tenho 30, você pode ter 15 ou 60. Não importa quanto tempo você viveu para atender as expectativas das pessoas ao seu redor. Por mais que o sentimento de fazer alguém se orgulhar de você, os parabéns sinceros de quem torceu por você, seja algo prazeroso, que te traga felicidade, isso não vai ser suficiente para preencher seu vazio PELO RESTO DA SUA VIDA.

Esse vazio é aventura. Empolgação. Quando a vida é chata, você acaba vivendo no piloto automático. Ainda hoje as vezes eu me sinto assim. Mas sempre DECIDO fazer algo logo após. Algo que vai me fazer acreditar que esses dias chatos estão contados e um novo capitulo da minha vida me aguarda no dia, na semana, no mês ou no ano seguinte.

Para tomar uma decisão você não precisa de dinheiro ou ter um corpo perfeito, nem ter a família perfeita. Você só precisa DECIDIR. E a cada dia dê um passo que te leve em direção ao seu objetivo. Não sou nenhum gênio, nem o mais forte do mundo. Mas aprendo algo novo a cada dia e estimulo meu corpo para que ele seja mais forte do que ele foi ontem.

A decisão está nas suas mãos. Não deixe que ninguém te diga o que você pode ou não pode fazer. DECIDA, seja dono do seu próprio destino.

Até mais guerreiros